Na coligação de Bolsonaro, Republicanos rechaça ação do PL no TSE

Partido também foi multado e teve fundo partidário bloqueado

Publicado quinta-feira, 24 de novembro de 2022 às 11:56 h | Atualizado em 24/11/2022, 12:19 | Autor: Da Redação
O presidente do Republicanos, deputado Marcos Pereira
O presidente do Republicanos, deputado Marcos Pereira -

Partido presente na coligação do presidente Jair Bolsonaro durante a sua tentativa frustrada de reeleição, o Republicanos rechaçou qualquer participação na ação golpista movido pelo PL no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tentando anular a votação em centenas de milhares de urnas no segundo tempo. 

Apesar de rechaçar a presença na ação, o Republicanos, junto com o PP e o PL, foram multados em R$ 22,99 milhões pelo presidente do TSE, o ministro Alexandre de Moraes. Além disso,  ele ordenou o bloqueio dos fundos partidários, bem como a suspensão de novos repasses até que o valor seja depositado em conta judicial. 

À coluna de Tales Faria, no UOL, o presidente nacional do Republicanos, deputado Marcos Pereira (SP) afirmou que não concorda da punição e irá recorrer do bloqueio dos fundos partidários. 

No dia 30 de outubro, após a definição do segundo turno da eleição, Marcos Pereira reconheceu o resultado, com a vitória de Lula (PT), o presidente eleito e que assume o comando do país no dia 1º de janeiro. 

"Reconheço a vitória do ex-presidente Lula e parabenizo o grande resultado do presidente Jair Bolsonaro. Nós, do Republicanos, vamos manter a coerência e seguir um caminho de independência, aprovando aquilo que for bom para o Brasil e criticando aquilo que for ruim", publicou na ocasião. 

Publicações relacionadas