Novo comandante suspende nomeação de ex-assessor de Bolsonaro

Cid é investigado pela PF por produzir informações falsas disseminadas pelo ex-presidente

Publicado terça-feira, 24 de janeiro de 2023 às 21:03 h | Atualizado em 24/01/2023, 21:42 | Autor: Da Redação
Novo comandante suspende nomeação de ex-assessor de Bolsonaro no Exército
Novo comandante suspende nomeação de ex-assessor de Bolsonaro no Exército -

O tenente-coronel Mauro Cesar Barbosa Cid entregou um requerimento ao novo comandante do Exército, general Tomás Paiva, solicitando o adiamento de comando do 1º Batalhão de Ações e Comando de Goiânia (GO). A reunião entre os dois aconteceu nesta terça-feira, 24. 

O documento foi recebido pelo general Tomás horas antes da primeira reunião do Alto Comando, presidida por ele. A pauta principal do encontro era a situação do ex-assessor de Jair Bolsonaro (PL). Depois de aceitar o pedido de afastamento, um novo oficial deve ocupar o cargo.

Cid afirma em depoimento que está se defendendo de acusações na Justiça e que não teria condições de assumir. Segundo informações que circulam pela imprensa, os generais do alto comando consideraram a decisão de Cid como "bastante adequada". 

A ordem partiu do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que ficou incomodado com a situação do bolsonarista. O petista solicitou ao ministro da Defesa, José Múcio, que resolvesse o problema. 

O comandante exonerado Júlio César de Arruda se recusou a desfazer a nomeação de Cid, confirmando a primeira baixa no novo governo de Lula. 

Segundo o site Uol, um general afirmou que o afastamento de Cid não garante que ele ficará impedido de assumir o comando no futuro, desde que seja absolvido. 

Mauro Cid foi braço direito do ex-presidente Jair Bolsonaro  e indiciado pela Polícia Federal sob acusação de produzir informações falsas disseminadas pelo ex-chefe de Estado. 

Bolsonaro associou falsamente a vacina contra a Covid-19 com o vírus do HIV. A afirmação foi feita numa live, em outubro de 2021. De acordo com as investigações, Cid teria levantado as informações. 

O site Metrópoles ainda afirma que Mauro Cid também teria coordenado um suposto caixa 2 no gabinete de Bolsonaro. Investigado, o militar teve a quebra  de sigilo bancário autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

Publicações relacionadas