Na ONU, chanceler brasileiro evita críticas a Putin

Carlos França discursou no colegiado da ONU nesta quinta-feira, 22

Publicado quinta-feira, 22 de setembro de 2022 às 20:43 h | Atualizado em 22/09/2022, 20:43 | Autor: Da Redação
O chanceler brasileiro, Carlos França
O chanceler brasileiro, Carlos França -

Em discurso no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), nesta quinta-feira, 22, o governo brasileiro seguiu adotando uma postura neutra em relação à Rússia. O Brasil evitou condenar o país pela invasão da Ucrânia e comentar ameaças do presidente Vladimir Putin de uma guerra nuclear.

“A guerra afeta a todos, até em regiões longe das hostilidades. O Conselho de Segurança é o local apropriado para buscar solução com paz duradoura”, disse o chanceler brasileiro, Carlos França, reafirmando que o Brasil quer criar condições para que haja diálogo entre as partes envolvidas na guerra.

Assim como o presidente Jair Bolsonaro (PL), durante o seu pronunciamento na Assembleia-Geral na terça-feira, 20, França criticou as sanções à Rússia. "Não é hora de acentuar visões ou isolar as partes [envolvidas]". De acordo com ele, "os riscos de escalada crescente pelas dinâmicas do conflito são simplesmente altos demais e as consequências para a ordem mundial, imprevisíveis".

O encontro do colegiado da ONU ocorreu em um dos momentos de maior tensão desde o início do conflito entre a Rússia e a Ucrânia, com o Kremlin ameaçando a possibilidade de usar todas suas armas para se defender, além de ampliar a mobilização para 300 mil homens e apoiar a anexação de quatro regiões ucranianas. Na reunião, americanos, franceses e britânicos não pouparam críticas contra Putin.

Publicações relacionadas