Servidores municipais lotam CMS pedindo reajuste salarial

Agentes comunitários de saúde e de combate a endemias cobram piso da categoria em Salvador igual ao nacional

Publicado terça-feira, 10 de maio de 2022 às 17:17 h | Atualizado em 10/05/2022, 17:17 | Autor: João Guerra
Servidores municipais alegam que salário não é reajustado há oito anos pela Prefeitura
Servidores municipais alegam que salário não é reajustado há oito anos pela Prefeitura -

Na Sessão Ordinária realizada nesta terça-feira, 10, o plenário da Câmara Municipal de Salvador esteve repleto de servidores municipais que atuam como Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate a Endemias da capital para cobrar da Prefeitura o reajuste salarial da categoria.

A presença desses servidores na Casa Legislativa foi para pedir que a CMS atue como interlocutora com a gestão municipal para que seja reajustado o piso da categoria, reinvindicação que os trabalhadores dizem fazer ao Executivo de Salvador desde 2014, quando o ex-prefeito ACM Neto (União Brasil) ainda estava em sua primeira gestão. Durante esse tempo, de acordo com os agentes dizem não ter conseguido manter um diálogo de negociação nem como Neto nem com o atual prefeito, Bruno Reis (União Brasil).

Essa defasagem de oito anos, causou a revolta da categoria que gritava palavras de ordem durante a sessão. "Queria ver se o prefeito e a vice-prefeita aceitariam reduzir o salário deles para menos de R$ 900, que é o piso que a gente recebe. Para ver se eles assim sentem na pele o que a gente passa", disse Enadio Pinto, representante das associações.

De acordo com a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 120, promulgada pelo Congresso Nacional no último dia 5, o piso do salário-base dos agentes agora é de dois salários-mínimos, perfazendo, atualmente, um valor de R$ 2.424,00. E, de acordo com a Associação dos Agentes Comunitários de Combate às Endemias de Salvador (AACES), o salário-base inicial da categoria na Prefeitura é de R$ 877,07.

“Viemos à Câmara hoje para pedir um apoio ao Legislativo, que é uma caixa de ressonância para o Executivo e esperamos que o prefeito Bruno Reis ouça a nossa voz que ecoou dentro da Câmara e que ele nos chame para negociar, porque nós não conseguimos avanço nenhum”.

O presidente da Casa, Geraldo Júnior (MDB), se solidarizou com os servidores e declarou que será prioridade da Câmara pautar o reajuste da categoria. Ele garantiu que assim que chegar ao Poder Legislativo da cidade uma mensagem da Prefeitura equiparando o salário-base dos agentes locais de combate às endemias ao piso nacional, esse projeto será votado com “toda a celeridade”.

O vereador se comprometeu ainda a receber uma comissão dos representantes da categoria para ouvir as demandas dos servidores. "Quero me encontrar com vocês para saber do que esses trabalhadores tão importantes para o nosso município precisam”. 

Publicações relacionadas