Segundo o Ipec, Lula está a uma coisinha para vencer no 1º turno

Estamos a quatro dias do fim da propaganda no rádio e na tevê e a seis das eleições

Publicado terça-feira, 27 de setembro de 2022 às 06:30 h | Autor: Levi Vasconcelos
Lula tende a pegar a faixa presidencial das mãos de Bolsonaro, talvez no primeiro turno
Lula tende a pegar a faixa presidencial das mãos de Bolsonaro, talvez no primeiro turno -

Dizem os especialistas que a esta altura do campeonato não adianta mais candidatos a cargos majoritários mudarem de estratégia. Na reta de chegada da campanha 2022, Lula tende a pegar a faixa presidencial das mãos de Bolsonaro, talvez no primeiro turno.

Estamos a quatro dias do fim da propaganda no rádio e na tevê e a seis das eleições. E algo pode mudar os humores do eleitorado até domingo? Se houver um fato retumbante, como a facada em Bolsonaro em 2018, claro que sim. Mas fora disso, teremos a ampliação ou não das tendências expostas.

A pesquisa do Ipec ontem divulgada sobre a disputada presidência praticamente repetiu a da semana passada: Lula 48 (foi 47), Bolsonaro ficou nos mesmos 31 e Ciro nos 7%. Detalhe: nas três últimas deu Lula 46, 47 e 48. Ou seja, pula dentro da margem de erro, mas sempre para cima.

Lá e cá—As atenções se voltam para o cenário federal porque no mínimo isso gera intensa expectativa sobre o impacto cá na Bahia. A questão: Jerônimo vira o jogo ou ACM Neto mantém a dianteira até o final?

A Bahia tem para as eleições de domingo  11 milhões, 291 mil e 528 pessoas aptas a votar. Considerando que a Pesquisa do Ipec da semana passada ouviu 1.504 pessoas, isso dá pouquinho mais de 0,01%. Vezes há em que os institutos apontam uma coisa e a urna dá outra.

Claro que o apito final quem dá é a urna. E justamente pelo conjunto o jogo eleitoral de domingo na Bahia ainda está em aberto. E qualquer resultado não será surpresa.

Ciapra racha após antecipação de eleição. A peleja 2022 na raiz

O Consórcio Intermunicipal do Mosaico das Aspas do Baixo Sul (Ciapra), instituição que congrega 14 municípios com o propósito de virar modelo na união de esforços para tratar de questões ambientais como coleta e tratamento de esgoto, parece ter implodido.

Leo de Neco (PP), prefeito de Gandu, o atual presidente, resolveu na semana passada antecipar a eleição que seria em dezembro e quatro prefeitos se opuseram.

Resultado: Leo de Neco se reelegeu tendo como viceManuel Ribeiro (PP) de Igrapiúna, e Hildécio Meirelles (UB) de Cairu diz que justamente com seis outros colegas vão sair do Ciapra.

Óbvio que o pano de fundo da briga é a questão da peleja estadual. Leo de Neco e os outros sete que o seguem são partidários de Jerônimo, enquanto Hildécio é o ponta de lança de ACM Neto no Baixo Sul.

Wagner e o recado a Rui

Abordado  ao chegar ontem para entrevista no programa Isso é Bahia, da A TARDE FM, sobre o fato de ter desistido de disputar o governo em março, quando o nome vinha sempre sendo colocado, o senador Jaques Wagner (PT)  disse que se surpresa houve, foi para o público externo.

— Assim que eu passei o bastão para Rui Costa (no fim de 2014) eu disse a ele: cuida de conduzir o barco a seu modo porque eu não volto.

Wagner e Leão, o mesmo tom em lados contrários

Faz parte do jogo político dizer que vai e é exatamente o que dizem o senador Jaques Wagner (PT) sobre Jerônimo e Otto Alencar (PSD) e João Leão (PP) sobre ACM Neto e Cacá Leão (PP).

Veja o que diz Wagner:

— Você ainda trabalha com outra hipótese (que não seja a de Jerônimo ganhar)?

Veja o que diz Leão:

— Eu aposto com quem quiser, até um apartamento na área do Baiano de Tênis.

Claro que na Bahia a eleição está polarizada, mas como as pesquisas mostram Jerônimo subindo e Neto caindo, e Lula lá dando sinais de que leva no primeiro turno, o jogo ainda está sendo jogado. Domingo que vem veremos quem está certo.

Publicações relacionadas