Na corrupção, o calo, Lula diz que a acusação virou armação política

Lula disse ainda que a polarização como ocorre hoje no Brasil é saudável, existe em qualquer país

Publicado sexta-feira, 26 de agosto de 2022 às 06:30 h | Autor: Levi Vasconcelos
Lula: ‘Não confunda polarização com estímulo ao ódio’
Lula: ‘Não confunda polarização com estímulo ao ódio’ -

A primeira pergunta de William Bonner a Lula ontem na Globo foi sobre corrupção. E Lula até agradeceu. Disse ser a primeira vez que tinha a oportunidade de se defender sobre isso. E foi ao ataque, contra Bolsonaro, óbvio.

O Mensalão e o Petrolão, com a Lava Jato, foram os escândalos que marcaram os 14 anos do PT no poder, algo tão forte que ainda hoje aduba o discurso antipetista e em 2018 deu contribuição decisiva para a vitória de Bolsonaro.

Claro que Lula se preparou. Disse que, como presidente, a corrupção apareceu porque houve investigação, a PF nunca foi tão independente, e ele criou uma série de dispositivos como o Portal da Transparência e leis contra o crime e, no caso pessoal dele, a investigação descambou para a política que tinha como foco derrubá-lo.

Polarização —Citou que antes do hacker flagrar o procurador Deltan Delagnol e o então juiz Sérgio Moro trocando conversas sobre a melhor forma de pegá-lo ele já argumentava os mesmos problemas no processo.

Claro que atacou Bolsonaro. Falou que o presidente nomeia pessoas em cargos-chave, inclusive na PF, para atender os interesses dele.

— O Bolsonaro não manda em nada. Ele é refém do Congresso, não manda nem na elaboração do Orçamento.

Por fim, disse que a polarização como ocorre hoje no Brasil é saudável, existe em qualquer país, com a ressalva de que a polarização não é o direito de xingar. Em suma, do ponto de vista do marketing, ele está preparado.

Começa o Horário Eleitoral, ou a reta de chegada de 2022

E ACM Neto vai resistir ao enfrentamento de uma campanha sem links federais?

Ou melhor, ele vai conseguir, como pretende, estadualizar o embate deixando a questão federal em segundo plano, ou será sufocado pela polarização Bolsonaro x Lula?

Estamos a 30 dias das eleições, teremos até lá, a partir de hoje, 36 dias de propaganda eleitoral no rádio e na tevê, o velho Horário Eleitoral Gratuito, ao que se diz, até agora com um papel decisivo nos embates eleitorais. É depois desse prazo que teremos as respostas acima.

Agora, na largada da campanha, o cenário aponta como favoritos Lula lá e Neto cá. Mas como se diz entre políticos, o jogo importa muito mais como acaba do que como começa. Noutras palavras, o  astral que vai predominar agora em setembro será o tom do jogo jogado.

Sheila e o rolo compressor

Sheila Lemos (UNB), prefeita de Vitória da Conquista, soltou vídeo nas redes sociais dizendo que iria ‘passar um rolo compressor’ no município. Óbvio que estava falando politicamente.

E eis que ontem, quando o pessoal da Prefeitura tapava os buracos no asfalto das cercanias do Lomantão, onde Bolsonaro vai estar manhã, não tinha rolo compressor. O pessoal compactava o asfalto na pá mesmo.

Bolsonaro em Conquista, a aposta na  motociata

A chegada de Bolsonaro a Vitória da Conquista está prevista para as 9h. Isso quer dizer que quem pretender voar saindo de lá, ou vai cedo ou vai ter que esperar. O transtorno tende a ser maior, já que o principal ato da visita presidencial será uma motociata, que tem a previsão de durar uma hora, mais ou menos, partindo do aeroporto.

Um palanque também está sendo montado, mas os jornalistas lá dizem ter sido avisados de que só vai falar Bolsonaro e é coisa rápida.

No mais, continua a disputa para ver quem será pai da visita. Aliás, embora lá esteja um presidente da República que é candidato, ontem quem estava chamando os jornalistas para se credenciar eram os apoiadores.

Publicações relacionadas