HSI na vanguarda da Urologia da Bahia | A TARDE
Atarde > colunistas > De Olho na Saúde

HSI na vanguarda da Urologia da Bahia

Confira a coluna De Olho na Saúde deste domingo

Publicado domingo, 17 de setembro de 2023 às 09:28 h | Atualizado em 17/09/2023, 10:04 | Autor: Elane Varjão
Eduardo Café, chefe do Serviço de Urologia do HSI
Eduardo Café, chefe do Serviço de Urologia do HSI -

Estima-se que o aumento da próstata, conhecida como hiperplasia prostática benigna, é uma condição muito comum com o envelhecimento nos homens. Visando oferecer uma melhor qualidade de vida para esse público, o Hospital Santa Izabel sai na frente com o Programa de Cirurgia Minimamente Invasiva para tratamento da Hiperplasia Prostática Benigna (HPB), através da Técnica de Enucleação Prostática à Laser  (HoLEP).

Com investimentos em mais de R$ 1,5 milhão e em parceria com a empresa Sinergia Médica, a nova técnica  tem sido recomendada como a primeira opção de tratamento da hiperplasia prostática, pelas principais sociedades do mundo, incluindo a Associação Europeia de Urologia, Associação Americana de Urologia e Sociedade Brasileira de Urologia.

O Programa conta com toda a infraestrutura instalada para realização continua de tratamento da HPB, mas também  trata de cálculos urinários de todos os tamanhos, conforme destaca o urologista  Eduardo Café, chefe do Serviço de Urologia do Hospital Santa Izabel (HSI), responsável pela implantação do Programa.

“Na Enucleação da Próstata à Laser (HoLEP), reproduzimos por via endoscópica, sem os cortes, a cirurgia mais eficaz no tratamento da HPB, e finalmente nos equiparamos aos maiores centros na Europa e EUA que já utilizam essa tecnologia há alguns anos”, ratifica Café.

O Santa Izabel é o centro de maior volume e pioneiro em cirurgia robótica do Norte Nordeste, e mais uma vez se estrutura para manter a sua posição de destaque e vanguarda na Urologia da Bahia.

Setembro Amarelo

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) promove um conjunto de ações em alusão à campanha Setembro Amarelo. Na programação, constam palestras, rodas de conversa, atividades lúdicas, educativas e apresentações artísticas. As atividades acontecem nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e Centros de Saúde Mental (CSM), envolvendo os usuários, familiares e os profissionais que atuam na rede de Atenção Primária, visando amplo debate sobre o assunto.

Alzheimer em pauta

O mês de setembro é de combate ao suicídio, mas também chama atenção para o Alzheimer, uma doença irreversível e neurodegenerativa que afeta a memória e as habilidades de pensamento. ”O principal fator de risco para a doença de Alzheimer é a idade. Outros fatores de risco também podem contribuir: genéticos, ambientais, como poluição, doenças associadas como hipertensão, diabetes, hipercolesterolemia, tabagismo, etilismo”, reforça a médica neurologista Roberta Kauark.

Dia Mundial do Doador de Medula

A Fundação Hemoba promove ações para incentivar o cadastro de medula óssea e celebrar o Dia Mundial do Doador de Medula Óssea (World Marrow Donor Day), conhecido como WMDD, comemorado no terceiro sábado de setembro (16/09).  Também neste mês o Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome), completa 30 anos. A WMDA reúne organizações que representam mais de 39 milhões de doadores de medula em 55 países diferentes, entre eles o Brasil, por meio do Redome.

Embolia pulmonar

A embolia pulmonar é a obstrução de uma artéria do pulmão pelo acúmulo de material sólido trazido através da corrente sanguínea, geralmente um coágulo de sangue (trombo) ou, raramente, outro material. A gravidade do quadro está alinhada ao tamanho da obstrução e da condição clínica do paciente que desenvolve a doença e pode provocar dispneia, dor torácica pleurítica, tosse e, em casos graves, atordoamento, pré- síncope, síncope ou parada cardiorrespiratória.

Câncer em jovens

Um novo estudo divulgado na última semana pela revista científica BMJ Oncology, evidencia que o número de casos de câncer entre pessoas com menos de 50 anos aumentou 79% nas últimas três décadas, preocupando diversos especialistas. A pesquisa analisou dados de 29 tipos de câncer em 204 países e regiões, incluindo o Brasil. Conforme o relatório, em 2019 foram registrados mais de 3 milhões de novos casos de câncer em pessoas com até 50 anos de idade. Já em 1990, essa taxa estava próxima de 1,8 milhão de casos.

Publicações relacionadas