As melhores e piores notas em segurança da Latin NCAP | A TARDE
Atarde > colunistas > Auto Brasil

As melhores e piores notas em segurança da Latin NCAP

Citroën C3, produzido no Brasil, levou zero na avaliação; Cronos, Argo e Ram 700 foram mal nos testes

Publicado quarta-feira, 02 de agosto de 2023 às 07:30 h | Atualizado em 11/10/2023, 10:14 | Autor: Núbia Cristina | editoria.autos@grupoatarde.com.br
Citroën C3, produzido no Brasil, zerou a avaliação
Citroën C3, produzido no Brasil, zerou a avaliação -

A segurança deve ser fator-chave para a decisão de compra do carro, seja ele novo ou usado. Os altos índices de acidentes e mortes no trânsito apontam que o veículo precisa ser confiável e garantir proteção em caso de acidentes, colisões e emergências. Por isso, vale a pena prestar atenção nas avaliações de segurança dos automóveis. O Programa de Avaliação de Carros Novos para a América Latina e o Caribe (Latin NCAP), lançado em 2010 para desenvolver um sistema regional independente de testes de colisão de veículos e de qualificação de segurança na região, tem feito um trabalho fundamental nesse sentido, e vale a pena prestar atenção nos resultados.

Na segunda rodada deste ano dos testes de segurança do Programa Latin NCAP o Citroën C3, produzido no Brasil, zerou a avaliação. “Devido, entre outras coisas, à estrutura instável, à fraca proteção contra colisões frontais, à falta de proteção lateral para a cabeça e à falta de lembrete de uso do cinto de segurança”, pontuou o programa. 

O C3 oferece dois airbags e Controle Eletrônico de Estabilidade (ESC) como equipamento padrão, obteve 30,52% em Ocupante Adulto, 12,10% em Ocupante Infantil, 49,74% em Proteção de Pedestres e Usuários Vulneráveis da Estrada e 34,88% em Assistência à Segurança. O veículo foi avaliado em impacto frontal, impacto lateral, chicotada cervical (whiplash), proteção para pedestres e ESC. Esse é o equipamento de segurança mais básico e o único disponível para esse modelo.

Resultado

Os testes revelaram que “o impacto frontal mostrou proteção fraca para o peito do motorista e proteção marginal para o peito do passageiro da frente, provavelmente explicada pela falta de pretensores do cinto de segurança”. Também a estrutura e a área dos pés foram classificadas como instáveis. “A proteção contra chicotada cervical (whiplash) apresentou desempenho ruim no pescoço do adulto”. 

No ocupante criança, o modelo apresentou proteção quase total, “mas os pontos dinâmicos foram afetados devido à sinalização deficiente das ancoragens ISOFIX para Sistemas de Retenção Infantil (SRI)”. E ainda, “a sinalização de advertência do airbag no banco do passageiro dianteiro não cumpre com os requisitos do Latin NCAP e não pode ser desligada”, dentre outros detalhes. 

O especialista Anderson Magalhães, fundador da Carrocash, lembra que os testes do programa Latin NCAP considera colisões frontais, laterais e traseiras, analisando aspectos como deformação de carroceria, danos aos ocupantes, áreas do corpo mais afetadas, em adultos e crianças etc. “O consumidor brasileiro não considera esses aspectos como fatores prioritários na hora da compra e a maioria não presta atenção nos resultados desses testes”, pontua. “Esse resultado da avaliação do C3, um carro recém-lançado pela Stellantis que recebeu nota zerada em vários aspectos de segurança, é alarmante. Isso fica marcado quando consideramos os resultados das avaliações do Volkswagen Polo, um carro de mesma categoria, praticamente, que teve notas boas e ótimas, em vários testes do mesmo programa”.

“É alarmante como a Stellantis repetidamente desconsidera a segurança básica para os latino-americanos e é inaceitável que seus veículos alcancem um nível tão baixo de segurança quando eles sabem muito bem como produzir carros acessíveis e muito mais seguros. Recentemente, a Stellantis declarou que "reforça seu compromisso com a constante evolução da segurança em seus produtos e comercializa modelos com os mais rigorosos requisitos de engenharia, qualidade e homologação". Com esse resultado, somado ao baixo desempenho da Strada, 208, Cronos/Argo, entre outros, o Latin NCAP os incentiva fortemente a revisar esses requisitos, que estão longe do que eles alegam e do que os consumidores da região merecem”, afirmou o secretário Geral do Latin NCAP, Alejandro Furas.

Em dezembro de 2021, fez uma série de avaliações nos modelos Argo e o Cronos, incluindo testes de impacto frontal e lateral, chicotada cervical (whiplash) e proteção de pedestres. Dos 100%, a dupla atingiu 24% em proteção para adultos, 10% para crianças, 37% para pedestres e apenas 3% nos sistemas de assistência à segurança. O desempenho sofrível não rendeu qualquer estrela para a dupla, foi zero.

Na prova de colisão frontal com o veículo a 64 km/h, o programa divulgou que os veículos mostraram proteção de média/baixa, nas regiões do joelhos, tórax e da cabeça. A falta de airbags laterais e de cabeça como itens de série, bem como a baixa pontuação no teste do chicote cervical limitaram o resultado na proteção do adulto, de acordo com o órgão. Os dois modelos possuem apenas as bolsas frontais obrigatórias por lei há quase dez anos.

Strada

O veículo mais vendido do Brasil não foi bem no teste realizado em 2022 e recebeu uma das cinco estrelas possíveis. O órgão considerou a estrutura da Ram 700, a Strada para exportação fabricada em Betim/MG, como "instável", incluindo a área dos pés. Além disso, alertou que os airbags laterais têm tamanho reduzido e não foram acionados de forma correta.

A Fiat Strada / Ram 700 obteve uma estrela, tanto na versão cabine simples como dupla. A versão de cabine simples, equipada com dois airbags frontais, controle eletrônico de estabilidade (ESC) como padrão alcançou 47,47% em ocupante adulto, 22,08% em ocupante criança, 40,23% em proteção de pedestres e usuários vulneráveis das estradas e 41,86% em sistemas de assistência à segurança. A versão de cabine dupla, com quatro airbags (dois frontais e dois laterais de cabeça e tórax) e ESC como equipamento padrão alcançou 41,39% em ocupante adulto, 52,96% em ocupante criança, 40,23% em proteção para pedestres e usuários vulneráveis das estradas e 48,84% em sistemas de assistência à segurança. 

Os mais seguros

O Volkswagen Virtus obteve a nota máxima em segurança nos testes do Latin NCAP divulgados recentemente. O Novo Virtus fabricado na Índia, que oferece 6 airbags como padrão, disponível em mercados como o México, foi testado pelo Latin NCAP em 2022 e obteve cinco estrelas. Como as atualizações do Virtus também foram introduzidas na versão produzida no Brasil, o Latin NCAP realizou os testes de auditoria nas unidades fabricadas no Brasil para verificar se o desempenho de segurança está no mesmo nível. “O processo de auditoria demonstrou que o Novo Virtus fabricado no Brasil corresponde ao desempenho de cinco estrelas do Latin NCAP do Novo Virtus fabricado na Índia”

Sobre os carros com as piores notas nos testes do Latin NCAP, Anderson Magalhães destaca que são veículos fabricados no Brasil e vendidos no mercado interno em países da América Latina, Índia e China. Já os automóveis com notas mais altas nas avaliações são produtos com outro padrão, aptos para serem vendidos em mercados mais exigentes. “O destaque vai para a Volkswagen, que emplacou vários carros com notas altas nos testes, porque há algum tempo seus projetos passaram a ser globais“.

Publicações relacionadas