Educação básica no Brasil “é uma falsa prioridade”, diz Barroso

Declaração foi feita durante análise de recurso apresentado pelo município de Criciúma

Publicado quinta-feira, 22 de setembro de 2022 às 18:38 h | Atualizado em 22/09/2022, 18:38 | Autor: Da Redação
Ele elogiou as gestões dos ex-ministros da Educação Paulo Renato e Fernando Haddad
Ele elogiou as gestões dos ex-ministros da Educação Paulo Renato e Fernando Haddad -

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou que a educação básica no Brasil “é uma falsa prioridade”. Nesta quinta-feira, 22, ele afirmou que dois ex-ministros levaram a “efetivos avanços na educação”, mas os sucessores não deram continuidade.

A declaração foi feita durante análise de recurso apresentado pelo município de Criciúma, que alegou não ter dinheiro para garantir creches a todas as crianças.

Ele elogiou as gestões dos ex-ministros da Educação Paulo Renato, do governo FHC, e Fernando Haddad, dos governos Lula e Dilma.

"A educação básica no Brasil é uma falsa prioridade. Todo mundo anuncia que a educação básica é a grande prioridade, mas a verdade é que com exceção da permanência mais prolongada de Paulo Renato no governo de Fernando Henrique e de Fernando Haddad no governo Luiz Inácio Lula da Silva, períodos em que houve efetivos avanços na educação", disse Barroso.

Ele pontuou que, desde então, mais que uma dezena de ministros na Educação tiveram "descarada falta de continuidade de políticas públicas".

O ministro Gilmar Mendes corroborou os elogios aos ex-ministros citados por Barroso e disse que ambos preocuparam com normas de organização e procedimento e a ideia de que era preciso dar estrutura básica para o funcionamento do sistema funcionasse.

"Neste contexto, discussões como o salário mínimo dos professores. Essa é uma discussão que ganha relevância ímpar, sob pena de nós apenas afirmamos o direito, como vínhamos reafirmando ao longo desses anos, sem que isso produza algum tipo de efeito".

Publicações relacionadas