Casa do BBB é construída para expor participantes à loucura e ao sexo

Jornalista visitou a casa do reality show e descreveu a nova temática do local

Publicado domingo, 15 de janeiro de 2023 às 19:23 h | Atualizado em 15/01/2023, 19:51 | Autor: Da Redação
A produção do programa resolveu adotar, neste ano, o tema "viagem" para a área interior
A produção do programa resolveu adotar, neste ano, o tema "viagem" para a área interior -

O Big Brother Brasil, produto da TV Globo, volta a ser transmitido para todo o Brasil nesta segunda-feira, 16, com a edição do ano de 2023. Confinados dentro de uma casa, dentro dos Estúdios Globo, em Curicica (RJ), 22 participantes estarão no caminho entre a fama e o anonimato.

Em análise publicada na Folha de São Paulo, o jornalista Gustavo Zeitea apontou que a casa do BBB parece mais um estúdio e está longe de ser um lar. As paredes ao redor do gramado são coloridas, revestidas com lona, ilustrada com a paisagem de uma cidade fabril. A cidade fictícia do desenho delimita a vida social e só reforça a sensação de confinamento.

Em viagem à casa mais famosa do Brasil, Gustavo Zeitel relatou que, na piscina, está contida, gota a gota, toda a libido dos "talentos do elenco", como dizem as agências de marketing. Exercendo fascínio à visão, a borda tem tensão erótica, com espreguiçadeiras onduladas. Segundo o jornalista, ali pousarão os corpos mais fetichizados do país nos próximos cem dias.

A produção do programa resolveu adotar, neste ano, o tema "viagem" para a área interior. Logo na entrada, fica a sala do viajante. Ao redor do sofá, as paredes têm miniaturas de barcos e trens, um armário para guardar suvenires, um mapa-múndi e seis globos dependurados do teto.

Só há um banheiro para ser compartilhado entre 22 pessoas desconhecidas. Conforme disse Gustavo, é quase um encontro com amigos em uma casa de praia. Já o famoso confessionário tem o fundo preenchido por luzes de LED, que lembram um portal para outra dimensão.

Por fim, os dois quartos se opõem um ao outro, refletindo a formação de dois grupos antagônicos no jogo. Um se chama Deserto, e as paredes, também de lona, pintam um cenário de aridez. Do lado oposto, fica o quarto Fundo do Mar.

No interior da casa, não há circulação de ar ou luz natural, apenas luz branca. A explosão de cores na parede, por sua vez, dá vertigem, assim como o excesso de quinquilharias espalhados pelos cômodos.

"É um modo de favorecer a interação das pessoas, é impossível sair de um quarto para o outro sem passar pela sala", disse o arquiteto André Scarpa. "Essa ausência de janelas aflige as pessoas, e o excesso de informação estimula o diálogo dos participantes com o próprio ambiente."

"São muitos estímulos com texturas e cores fortes, um cenário que, ao longo do programa, vai se naturalizando para os seus habitantes", disse o arquiteto. O excesso de informações obriga os participantes a dialogar com o próprio ambiente.

Para Gustavo Zeitel, o BBB não seria tão atraente para quem assiste sem a descarga libidinal e a competição narcísica de quem está confinado. O erotismo está na piscina e no olho, que simboliza a "espiadinha", transformando milhões de telespectadores em voyeurs. A exposição é longa, e cada um deve criar estratégias para seduzir o espectador.

Na semana passada, o BBB anunciou os 22 participantes da sua 23ª edição, que conta com famosos e anônimos. O programa começa nesta segunda-feira, 16, na TV Globo e segue até abril. 

Publicações relacionadas